História do PSL/SC

Alinhado ao social-liberalismo, o Partido Social Liberal (PSL), foi fundado em 30 de outubro de 1994, tendo o registro definitivo em 2 de junho de 1998, representado pelo presidente da Comissão Executiva Nacional, Luciano Caldas Bivar.

Obtendo o número 17 para os fins e efeitos eleitorais, o partido defende uma menor participação do Estado na economia, mas com o direcionamento total dos recursos arrecadados para a saúde, a educação e a segurança. Uma de suas bandeiras é a criação do Imposto Único Federal, eliminando os demais tributos da União.

Considerado forte defensor dos direitos humanos e das liberdades civis, o PSL acredita que o Estado possa exercer na economia o papel de regulador, a fim de garantir à população acesso de qualidade aos serviços públicos essenciais e fundamentais. Sua estrutura interna, organização e fundamento, se baseiam no respeito à soberania nacional, ao regime democrático, ao pluripartidarismo e aos direitos fundamentais da pessoa humana, observando as normas constitucionais e legais.

Tendo como um dos seus lemas, o Brasil acima de tudo, o PSL carrega as cores da bandeira do Brasil, que é o símbolo máximo de representação da nação brasileira.

O PSL possui ideais e princípios consolidados, unindo-se a valores e opções fundamentais, cuja consagração e respeito considera indispensáveis para a construção e consolidação de uma sociedade melhor. Assim, o compromisso é o de priorizar as seguintes questões abaixo relacionadas, além de outras também abraçadas pelo partido:

a) Segurança pública;

b) Proposição de mudanças legislativas e implementação de políticas que visem minimizar os índices crescentes de violência e homicídios;

c) Políticas de proteção, minimizando o contrabando e o tráfico de armas e de drogas;

d) Políticas de esclarecimento à população, que visem a conscientização a respeito dos males provocados pelo comunismo e socialismo;

e) Proteção à propriedade privada e garantia de que cada cidadão de bem tenha o direito de proteger sua vida.

f) Proteção intransigente à democracia e à liberdade de cada cidadão;

g) Garantia de prestação de serviços públicos de qualidade e de eficiência nas áreas de saúde e educação;

h) Incentivo a todas as formas de livre iniciativa privada;

i) Combate à censura, ao constrangimento e aos desequilíbrios morais e sociais;

j) Combate à sexualização precoce de crianças;

k) Combate à apologia da ideologia de gênero;

l) Combate aos privilégios decorrentes de “quotas” que resultem na divisão do povo;

m) Combate frontal à corrupção endêmica instalada, em todas as suas formas, níveis e esferas;